Cientistas Da Universidade Da Califórnia Criam RIM ARTIFICIAL

O Rim Artificial:

Medindo menos que um copo de café –  O rim bioartificial pode proporcionar aos novos pacientes com ESRD; uma nova esperança além da solução a curto prazo de diálise renal e transplante de rim.


Assim, a projeção é de que o rim bioartificial economize milhões na área da saúde, mundialmente.

De fato, a ideia é que o tratamento possa substituir completamente as hemodiálises, voltadas a pessoas com doenças em estágio final de doenças renais.

Portanto, houveram vários testes em 2016 e a pesquisa vem avançando com sucesso. O primeiro transplante está previsto  ainda para este ano.

Normalmente, tratamentos de hemodiálise requerem três sessões por semana, com o paciente preso a uma máquina que não permite que ele se mova muito.

O rim artificial e vestível, se funcionar completamente, dará liberdade aos pacientes para que possam viver suas vidas livremente.

Os resultados mostraram que o equipamento foi eficiente em limpar o sangue de produtos residuais do corpo, como ureia, creatina e fósforo.

Assim, ao mesmo tempo que também removia o excesso de água e sal – funções atribuídas aos rins.

Como o Dispositivo Funciona?

A equipe está desenvolvendo um rim bioartificial implantado cirurgicamente e implantado para realizar a grande maioria das funções de filtração, equilíbrio e outras biológicas do rim natural.

Portanto, o dispositivo de duas partes, que aproveita os desenvolvimentos recentes em nanotecnologia de silício, filtração de membrana e ciência celular.

Assim, é alimentado pela própria pressão sanguínea do corpo sem a necessidade de tubos externos e tethers ou drogas imunossupressoras.

Protótipo do Rim Artificial

Porque Não Há Rejeição No Rim Artificial

As células do biorreator são isoladas do sistema imunológico do paciente pelo andaime sobre o qual elas são cultivadas.

De fato, os revestimentos no dispositivo funcionam para evitar a coagulação do sangue.

Em ensaios humanos anteriores de um rim bioartificial em grande escala, não foram necessários medicamentos anti-rejeição.

Portanto, em experimentos pré-clínicos recentes, não foram necessários diluentes de sangue.

O Projeto Kidney é liderado por Shuvo Roy, PhD , bioengineiro e professor do Departamento de Bioengenharia e Ciências Terapêuticas , Faculdades de Farmácia e Medicina, Universidade da Califórnia, São Francisco (UCSF).

O projeto é co-dirigido por William Fissell, MD , no Vanderbilt University Medical Center.

Desejamos sucesso aos Cientistas e todos os que colaboram para este projeto!

Fonte: Pharm.UCSF.edu

Compartilhe este post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.