Sedentarismo x Qualidade de vida. Como cuidar disso?

A vida sedentária provoca literalmente o desuso dos sistemas funcionais e qualidade de vida. Isso causa um fenômeno associado à atrofia das fibras musculares, à perda da flexibilidade articular, além do comprometimento funcional de vários órgãos.

Neste artigo iremos abordar algumas práticas para deixar o sedentarismo e se tornar uma pessoa mais ativa possível

Quais as doenças associadas à vida sedentária?

O sedentarismo é a principal causa do aumento da incidência de várias doenças. Hipertensão arterial, diabetes, obesidade, ansiedade, aumento do colesterol, infarto do miocárdio são alguns dos exemplos das doenças às quais o indivíduo sedentário se expõe. O sedentarismo é considerado o principal fator de risco para a morte súbita, estando na maioria das vezes associado direta ou indiretamente às causas ou ao agravamento da grande maioria das doenças.

Como deixar de ser sedentário?

Não há outra maneira além de praticar atividades físicas. Não é preciso desespero. Em alguns passos você estará apto a iniciar seus exercícios e vencendo o sedentarismo dia a dia. Cada um pode com as possibilidades de cada indivíduo e o que for melhor para cada um:

Praticar atividades esportivas como andar, correr, pedalar, nadar, fazer ginástica, exercícios com pesos ou jogar bola é uma proposta válida para evitar o sedentarismo e importante para melhorar a qualidade de vida. Recomenda-se a realização de exercícios físicos de intensidade moderada durante 40 a 60 minutos de 3 a 5 vezes por semana;

Como gastar mais energia e deixar o sedentarismo?

Caminhar na praça próximo à sua casa, ir ao supermercado à pé, levar o cachorro para passear. Todas estas coisas contribuem para a perca do sedentarismo e consequentemente, uma vida mais saudável.

Aumentar o gasto calórico semanal não é impossível, apenas é necessário limitar um pouco dos confortos da vida moderna:

Subir 2 ou 3 andares de escada; ao chegar em casa ou no trabalho;
dispensar o interfone e o controle remoto;
estacionar o automóvel intencionalmente num local mais distante;
dispensar a escada rolante no shopping-center;

são algumas alternativas que podem compor uma mudança de hábitos.

Segundo trabalhos científicos recentes, praticar atividades físicas por um período mínimo de 30 minutos diariamente, contínuos ou acumulados, é a dose suficiente para prevenir doenças e melhorar a qualidade de vida.

Quais são as contra-indicações para fazer exercícios?

A liberação plena para a prática de atividades físicas, particularmente as atividades competitivas e de maior intensidade, deve partir do médico. Nesses casos, um exame médico; e eventualmente; um teste ergométrico podem e devem ser recomendados. Indivíduos portadores de hipertensão, diabetes, coronariopatias, doenças vasculares etc. devem ser adequadamente avaliados pelo clínico não somente quanto à liberação para a prática de exercícios, como também quanto à indicação do exercício adequado como parte do tratamento da doença. Quando se trata de praticar exercícios moderados como a caminhada, raramente existirá uma contra-indicação médica, com exceção de casos de limitação funcional grave.

Comentários